Informações de utilização deste blogue

Para ir vendo todas as obras disponíveis nesta montra, é só ir clicando ao fundo da página em Mensagens antigas ou aceder diretamente via arquivo do blogue (árvore de hiperligações à esquerda do texto).

O Blogue tem ainda dois mecanismos de pesquisa por palavra-chave ( título, autor, etc. ) no texto do blogue na caixa de pesquisa no topo superior esquerdo da página (assinalado com uma lupa) e na coluna lateral esquerda (Pesquisar neste blogue).

Contactos, reservas e encomendas: por e-mail para 2mitodesisifo@gmail.com

INTERNATIONAL SHIPPING RATES under request.

Pagamento disponível através de transferência bancária ou via PayPal (solicitar via e-mail NIB ou paypal e-mail )


sábado, 20 de abril de 2013

Textos Malditos - Luiz Pacheco - Edições Afrodite 1ª edição 1977 e A Última Sessão: A edição dos "Textos Malditos de Luiz Pacheco.

Textos Malditos

Luiz Pacheco

Edições Afrodite

1ª edição 1977

164 p

Colecção Autores I

Capa e ilustrações de Henrique Manuel

Edição e arranjo gráfico de Fernando Ribeiro de Mello/Edições Afrodite


Vendido separadamente ou em conjunto com

A ÚLTIMA SESSÃO: A EDIÇÃO DOS “TEXTOS MALDITOS” DE LUIZ PACHECO
Texto, design e edição © Pedro Piedade Marques  |  Maio de 2012
18 x15 cm, 40 páginas  |  ISBN 978-989-20-3019-7


Em 1977, Luiz Pacheco viu finalmente reunidos nestes Textos Malditos os seus textos “proibidos” até à Revolução, publicados no brilhante catálogo da Afrodite de Fernando Ribeiro de Mello. Teve também a certeira união de um universo gráfico à sua obra, o de Henrique Manuel. Livro icónico mas minado por tensões pessoais, foi também um livro crepuscular que marcou o início do correr de cortinas nas carreiras destes três actores excêntricos no palco da cultura portuguesa.

Livro dos mais  raros de Luiz Pacheco













À memória do Dr. António Maldonado Freitas e aos Dr. António Maria Pereira e Dr. Fernando da Rocha Calixto felizmente vivíssimos causídicos graciosos do Pequeno Libertino

Off. Ded. & Consagra

O Auctor 



«PORTO / LISBOA, A PEDIR ESMOLA


Vinha a fugir à polícia já não sei bem porquê (ou sei?) desde a Régua. Para despistar, apeei-me do comboio em Valongo, fazia um frio que nem calculam. De camioneta para o Porto, depois de um café com bagaços. Fui ao Teatro Experimental do Porto pedir ao João Guedes dinheiro para a viagem até Lisboa amada. Mas ele que me viu transtornado (supôs que era dos copos) abonou-me só cinquentas. Não dava. Não chegava.

Resolvi atacar a fundo. E, tomando precauções disfarçatórias, muito antes da hora do comboio, o correio, fui falar com o chefe da estação de São Bento. A quem expus, um pouco atabalhoadamente: tinha em Lisboa uma pessoa de família gravemente doente (era mentira, como sabem) e havia de tomar o comboio desse lá por onde desse. E porque isto e aquilo. E assim e mais assim. O tipo, quando me viu tão resoluto, não percebi se me quis ajudar ou se foi só para me despachar em beleza. Disse-me: "Vá à bilheteira e tire bilhete até onde chegar o dinheiro. Depois fale com o chefe do comboio." Achei que era um empurrão e valioso. Quanto mais longe da polícia (que me topara em Ermesinde e nunca mais me largava) melhor. Fui à bilheteira e comprei bilhete para Soure. Depois, sempre a disfarçar, e porque na hora do comboio podia haver vigilância em São Bento, como já me tinha acontecido antes, resolvi tomar o comboio na gare das Devesas, que era discreta. E atravessei o rio, pelo tabuleiro inferior da ponte, a pé. Nas Devesas não houve azar nenhum e, entrado no comboio, encharcadíssimo, com a gabardina que, torcida e escorrida, parecia um esfregão, comecei a choinar, encostado ao aquecimento. Assim vim, até que passadas horas (o comboio vinha cheio, era meados de Dezembro e aproximavam-se as Festas), decidi-me a seguir o conselho do chefe de São Bento. Não fosse ultrapassar Soure e entrar em transgressão. Com os sarilhos que me perseguiam, não convinha acumular. Procurei o revisor e disse-lhe: "Olhe que o meu bilhete é para Soure mas eu vou até Lisboa. Depois telefono e vem um amigo meu que paga a diferença, a muita e o mais que for preciso." E para meter o homem no coração, impingi-lhe a história da pessoa de família, etc. E por ora, e porque deixa. Patati, patatá. Capisce? O homem ouviu ouviu e foi chamar o chefe da composição. Que era um traquinas de palmo e meio (com homem pequenino não te metas…), ressequido e velhaco, irado. Mais bera que os beras. Este foi ditatorial: que eu havia de me apear em Soure e mai’ nada. Não atendia ao amor de família, o anãozinho, Deus lhe perdoe! Como sou teimoso e não gosto de ser contrariado, barafustei com o tipo. "Dali (do comboio em andamento e a parar quando lhe parecia conforme o horário do percurso) ninguém me arrancava!" Repeti uma data de vezes a aldrabice da doença familiar e ia ganhando tempo, que era o meu fito. O revisor, ao lado, não dizia nada. Olhava para um e para o outro. Ouvia, calado. Como se meditasse. Como se me estivesse a dar razão. Quase. Visto que não abria o bico e não fazia coro com o chefe. E com isto passámos Soure. A minha causa ia em bom andamento. O chefe do comboio ainda me voltou a dizer das boas mas agora o caso era outro.

Qual era? Eu ia em transgressão, mas cumprira as ordens do chefe de São Bento, que era o que importava. Agora o problema não era meu (mas dele, revisor; por isso acho que este rapaz merece uma palavra amorável neste verídico relato. Ajudou-me, como o outro, talvez sem querer. Apenas por comodidade. Apenas? Nada de exigências éticas: vão lá saber as razões de cada qual).

De quem era o problema? Pois do revisor. Que mo expôs. Era uma chatice. Chegados a Santa Apolónia, ele tinha de levantar um auto, devia regressar ao Porto no comboio das onze e tudo aquilo era uma trabalheira, uma maçada. "Por acaso", insinuou com certo optimismo, lisonjeiro para mim, "eu não tinha qualquer objecto de valor que pudesse deixar como penhor?"; ele confiava. "Um relógio, um…" Eu não tinha nada. Mostrei-lhe a gabardina. Ficámos ambos desolados, desanimados. Não valia nada, nadinha.

Em face do que…

"O senhor podia era pedir. Toda a gente dá. Já uma vez me aconteceu…", sugeria o homenzinho, a tornar-se prestável, a ser amigo, sincero ou quê? também me queria despachar?… mas no bom sentido (e o porquê das razões de cada um, etc.), e digo já porquê: o comhoio galgava Coimbra e ia apitando pela noite dentro, deixando sempre mais espaço (que em casos de polícia é o principal) entre mim e os xuis nortenhos.

"O senhor podia pedir."

"Pedir?!!!", protestei indignadíssimo, altivíssimo e outros superlativos do orgulho ferido (é que a ideia não me convencia, não me surgia prática).

"Sim senhor. Pois, pois. Pedir dá resultado." E foi uma nova e grande discussão, mas em termos amenos. De coexistência pacífica, diríamos hoje. Eu com a doença imaginária do parente, ele por via das chatices burocráticas da C. P., do que era agora o meu caso, marrámos, desfilámos uns quilómetros, o que constituía, de qualquer modo, vantagem a meu favor. "Sempre a andar, meu lindo! apita e não pares!", badalava em silêncio o meu coração alvoroçado, a encolher-se de medo. Por fora, era todo nobreza (eu). Mas convenci-me. O tipo estava a ser tão porreiro. E depois era questão de experimentar. Se não desse, voltávamos ao meu ponto. Disse afinal que sim, estava bem.

Aquilo foi limpinho. O revisor falou alto para uma carruagem de terceira que ia à cunha, nos bancos e no corredor, gente ensonada e moída, bacolejada, embalada pelo ritmo das vigas de aço; muitas malas, cestos e bagagem vária, alguns garrafões de mão em mão, ensopando goelas.
O revisor fez-se ouvir (era uma autoridade, ali):
– Aqui este homem (ofendi-me todo) não tem dinheiro para a passagem e chegando a Lisboa fica preso (exagero). Os senhores querem ajudar?
Houve um silêncio. Curiosidade. Expectativa.
– Eu sou o primeiro a dar – disse o revisor, como se alguém lhe tivesse pedido alguma coisa. Mas era para mostrar que era camarada e demonstrar exemplo. Vai nisto, mete-me na mão dez tostões.
– Ai, é assim?! – disse eu. – Atão, também eu dou.
E com a direita meti na esquerda todos os trocos que tinha na algibeira. Começámos o peditório. O revisor só não aceitava de magalas, que, coitados. O mais, o que viesse era bem dado, repetia. Em carruagem de terceira e mais meia eu tinha a mão cheia de moedas, e já de vinte e cinco tostões, cinco escudos, já dezes. Começámos a ferver. E o entusiasmo contagiou-se. Havia quem gritasse: "Canto é que falta queu ponho o resto?!" (o que comprova a doutrina que os grandes movimentos de solidariedade colectiva o bom é começá-los e não só: prova a generosidade da gente portuguesa, pormenor típico que me é grato registar, já que era eu o beneficiado). E mais do que um. Aquilo viria a ser o maior negócio do ano? olha se se explorasse comercialmente, industrialmente? começava a delirar. Mas o revisor cortou-me as esperanças, as ambições:
– Ora conte lá! – ordenou.
O que fiz. O percurso Soure-Lisboa, mais o excesso, os por cento da multa, faltava pouco. E apareciam voluntários que queriam arrematar, com um calor (talvez dos copos mas) sentido, exuberante. Os nossos votos (eu e o revisor) estavam em leilão. Um tipo qualquer pagou o resto, com os meus agradecimentos. E enquanto o revisor me passava um papelinho, escrito num lápis comovido, eu procurava um canto para choinar, legalizado, legalmente. Nem pensava em despistar. Aquilo correra muito melhor do que pensara.
Pensava. Fui preso oito dias depois, em Bucelas, num pequeno café, quando via e ouvia a Sinfonia Incompleta na televisão. E o João Miguel, o meu filho mais velho, então um garoto, que estava ao lado, não gostou da coisa. Era quase Natal (1959).»

[in Textos Malditos: Lisboa, Afrodite (de Fernando Ribeiro de Mello), 1977]


Na Contracapa

Esta edição arquiva e resguarda do tempo a inconfundível ficção dum autor cujos textos sofreram – talvez mais do que os de ninguém – a perseguição da moral farisaica (e não só...) que entre nós imperou num passado ainda recente.
Se Luiz Pacheco se pode considerar como um autor «marginal», este rótulo não deriva de qualquer fantasia. O autor esteve de facto «marginalizado» na acepção mais ampla do termo.
Mais amplas se tornaram, no entanto, as liberdades que conquistámos numa manhã de Abril. E de tão amplas nos pregaram tal susto que hoje ainda poderá o leitor interrogar-se acerca do verdadeiro alvo da mordacidade, da irreverência, da iconoclastia, da inegável contundência destes TEXTOS MALDITOS – cuja circulação, na longa noite fascista (é como dizemos), se viu perturbada por obstáculos de vária ordem e desordem, desde a venda subreptícia à mão do comprador (não é retórica!) desde a apreensão até aos sinistro Tribunal Plenário... vade retro!
Estes textos sobrevivem, apesar das censuras e dos atropelos, contestando a boa-consciência ou a «unicidade» do estilo. Escaparam e escaparão – disso estamos certos - àquelas recuperações ou tentações militantes em que o nosso tempo tem sido fértil. 



Livro em muito bom estado. Capas com mancha de humidade, miolo e ilustrações impecáveis


Vendido 1 exemplar. Existe outro disponível

Preços:


Textos Malditos 100€ 

A última Sessão : 25€

Total : 125€
Vendidos em conjunto: 115€

com portes registados incluídos para Portugal Continental e ilhas

+ 8€ para correio registado internacional normal
UPS ou correio rápido a orçamentar

Pedidos a 2mitodesisifo@gmail.com ou em www.leiloes.net

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Textos de Guerrilha. Luiz Pacheco 1ªas edições 1979 e 1981

Textos de Guerrilha
Luiz Pacheco
Vol 1 (1979) 
Prefácio de José João Louro
e 2 ( 1981)
poema prefacial de José Correia Tavares e carta posfácio do Paulo Eduardo Pacheco (O Paulocas)
Lisboa
Ler editora


2 vols. In-8vo. (208 mm) de 128 ; 158-[2] pp. Ilustrados. Br. Muito bons exemplares. Primeira edição. Capas de Celeste Dias Santos e ilustrações de Vasco Primeira edição, pouco vulgar. 2ª serie capa de Vitor Palla.










Em Janeiro de 2008, alguns dias depois da morte de Luiz Pacheco, comprei ao mesmíssimo Luís Dias, a preço de saldo, os dois volumes dos Textos de Guerrilha do autor. Desconhecia de todo o catálogo da Ler, e que a editora funcionara ali mesmo naquela papelaria/livraria na Rua Almeida e Sousa, em frente ao belo Jardim da Parada.
Em face da capa do tomo 2 dos Textos de Guerrilha (edição de 1979), foi-me também algo difícil associá-la imediatamente a Victor Palla, e apenas uma consulta à ficha técnica o permitiu. Não é, de todo, uma capa ao nível das que nos habituámos a ver no seu “cânone”, faltando até uma das suas assinaturas de estilo: a tipografia desenhada e laboriosamente composta. Aqui o texto a preto numa não-serifada bold e itálica sobreimprime uma composição abstracta riscada a carvão ou pastel e impressa a uma cor. Era também estranho descobrir que a capa do primeiro volume não era sua, o que permite supor um recurso a uma solução de emergência para uma edição com pouco cuidado visual (e à qual falta o atractivo das ilustrações de Vasco, que se encontram no primeiro volume).

(créditos http://pedromarquesdg.wordpress.com/tag/luiz-pacheco/)






 Livros em muito bom estado. Capas e miolo impecáveis


Preço 100€  ( os dois volumes)

com portes registados incluídos para Portugal Continental e ilhas

+ 8€ para correio registado internacional normal
UPS ou correio rápido a orçamentar

Pedidos a 2mitodesisifo@gmail.com ou em www.leiloes.net