Informações de utilização deste blogue

Para ir vendo todas as obras disponíveis nesta montra, é só ir clicando ao fundo da página em Mensagens antigas ou aceder diretamente via arquivo do blogue (árvore de hiperligações à esquerda do texto).

O Blogue tem ainda dois mecanismos de pesquisa por palavra-chave ( título, autor, etc. ) no texto do blogue na caixa de pesquisa no topo superior esquerdo da página (assinalado com uma lupa) e na coluna lateral esquerda (Pesquisar neste blogue).

Contactos, reservas e encomendas: por e-mail para 2mitodesisifo@gmail.com

INTERNATIONAL SHIPPING RATES under request.

Pagamento disponível através de transferência bancária ou via PayPal (solicitar via e-mail NIB ou paypal e-mail )


segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Pensar Portugal Hoje, João Martins Pereira, Publicações D. Quixote, 1ª edição (1971) e 3ª edição (1979)

Pensar Portugal Hoje

João Martins Pereira

Publicações D. Quixote

1ª edição

1971

Coleção Diálogo, 12

165p




Obra e autor particularmente marcantes do pensamento social e económico marxista português dos anos do sonho e da brasa  (décadas de 60-70 do século XX)




Trata-se ainda da primeira obra de análise económica estruturada e aprofundada, sobre a sociedade portuguesa, assente numa visão e metodologia do pensamento económico marxista.

No mesmo mês de Janeiro de 1971, em período de primavera marcelista, de enorme mudança na infra-estrutura industrial do país e com efeitos já previsíveis da crise petrolífera, foram editadas e esgotadas as 1ª e 2ª edições, numa enorme surpresa editorial, não previsível nem pelo autor nem pela editora

Pensar Portugal hoje, marcou toda uma geração de esquerda que a partir inicialmente da redação de O Tempo e o Modo e depois através da crítica da obra, se afastou e começou a contestar a influência do PCP e a agrupar-se na EDE - Esquerda Democrática Estudantil ( que esteve na origem do MRPP ) e noutros movimentos que originaram diversos grupos de estrema-esqueda maoista, trotskista e libetária, em Portugal


Pensar Portugal hoje.

Caminhos actuais do capitalismo português

Publicações D. Quixote

3ª edição

1979

Coleção Participar, nº 14

175 p.




Depoimentos relevantes:

Sobre a obra vídeo do trecho do debate de Arnaldo Matos sobre a revista "O Tempo e o Modo" e João Martins Pereira 


Evocação de João Martins Pereira organizada pelo CES e CD 25 de Abril da Universidade de Coimbra em 2009 um ano após a sua morte prematura. 


O Radical que gostava de compreender as coisas (1932-2008) - Um texto de homenagem do Vitor Malheiros.


João Martins Pereira
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

João Martins Pereira (Lisboa, 24 de Novembro de 1932 — Lisboa, 13 de Novembro de 2008) foi um engenheiro industrial, economista, jornalista, ensaísta e político português.1 2
Entre Março e Agosto de 1975 foi secretário de Estado da Indústria e Tecnologia do IV Governo Provisório, presidido por Vasco Gonçalves, no ministério da Indústria e Tecnologia, tutelado por João Cravinho 3 , e foi o autor da nacionalização das grandes empresas industriais: siderurgia, cimentos, estaleiros navais, química pesada, petroquímica e celuloses.4

Fez parte da redacção da revista Seara Nova, foi fundador e colaborador da segunda série da revista O Tempo e o Modo, coordenador da secção de Economia da revista Vida Mundial, director interino do semanário Gazeta da Semana e director da Gazeta do Mês.

Foi autor de inúmeros ensaios e artigos de opinião e de vários livros na área da economia industrial e da história da indústria e do capitalismo em Portugal. Entre as suas obras, destaca-se: À esquerda do possível (1993), com João Paulo Cotrim e Francisco Louçã, 'O socialismo, a transição e o caso português, Indústria, ideologia e quotidiano e Para a História da indústria em Portugal (2005).1

João Manuel Midosi Bahuto Pereira da Silva Martins Pereira nasce a 24 de Novembro de 1932 em Lisboa, na freguesia de Belém. Filho de Carlota do Rosário Midosi Bahuto Pereira da Silva Martins Pereira e de Flávio Martins Pereira.


Quando tem um ano de idade, a sua família muda-se para Algés, onde viverá até aos sete anos. Em 1939 mudam-se para Lisboa, para uma casa na Av. 5 de Outubro, que ocupará até 1966. De 1939 a 1942 faz a instrução primária em casa, com uma professora particular, juntamente com a irmã. É nesta altura que começa a escrever e a fazer livros e jornais ilustrados (Rim-tim-tim, O Tareco, Tiro-liro).



Em 1942 é admitido no Colégio Académico, mas é obrigado a interromper as aulas por doença e a fazer um ano de repouso. São deste período a 2ª série do Tiro-Liro, o jornal Júpiter e o começo do seu interesse pelas notícias, que não o abandonará ao longo da vida. Entre 1944 e 1949 frequenta o Colégio Valsassina, onde completa o curso liceal.



Vida estudantil

Em 1950 entra para o Instituto Superior Técnico (IST), onde frequenta o curso de Engenharia Químico-Industrial.5 É durante estes anos que descobre Jean-Paul Sartre, que se tornará uma referência central no seu pensamento. Falará dessa época no seu livro "No reino dos falsos avestruzes" (1983):"Eu fiz 20 anos em 1952. Não crente já então, se é que o fui alguma vez, eu era a ignorância do mundo, das coisas, das pessoas. Estudava engenharia, afincadamente. Mas desencantadamente. Punham-se-me as questões metafísicas (e físicas) do costume, as ditas «próprias da idade», e outras menos próprias. No meio disto, apenas duas armas, que já deviam vir, como hoje se diz, no meu «código genético»: uma enorme curiosidade, uma visceral propensão para o «não-alinhamento». Debicava sem nexo, como qualquer galináceo, nos grãos que, ao acaso das circunstâncias, me vinham cair no minúsculo pedaço em que me movia: livros, filmes (cine-clubes), associação de estudantes, pouco mais. E sem nexo continuei, anos fora, até que, já nem sei como, dei comigo embrenhado no mundo sartriano."6

É no IST que conhece João Cravinho, três anos mais novo, com quem manterá uma relação de amizade ao longo da vida. Cravinho descrevê-lo-á como "um participante destacado nas actividades associativas", "um interventor selectivo com particular queda para ajudar a pensar e a resolver os problemas de fundo com que a Associação se debatia", possuidor de "uma cabeça bem arrumada, uma grande bagagem intelectual, uma lógica de intervenção coerentemente sustentada", "muito exigente para consigo próprio" e ressalta "o rigor do seu espírito aberto ao aprofundamento sistemático de uma síntese de saberes" 7

Entre 1954 e 1956 integra a Direcção da Associação dos Estudantes do Instituto Superior Técnico (AEIST), a convite de José Manuel Prostes da Fonseca, tendo participado nas lutas estudantis contra o Decreto 40.900 (que retirava poderes às Associações de Estudantes) e na criação da RIA (Reunião Inter-Associações). Colabora até 1958 no Boletim da AEIST.7

Em 1955, nas férias entre o 5º e o 6º ano do IST, faz um estágio numa empresa siderúrgica francesa, em Longwy. No regresso a Portugal, de comboio, é detido pela PIDE na fronteira de Vilar Formoso. É possível que a polícia política do Estado Novo tenha suspeitado de que Martins Pereira, dirigente estudantil, tinha ido participar num congresso realizado em Varsóvia em Agosto, o 5º Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes, que reuniu 30.000 jovens de 114 países. As suas malas são revistadas e são encontrados prospectos em russo. É detido no Aljube até serem traduzidos os prospectos, que se vem a constatar serem provenientes do pavilhão da União Soviética numa feira industrial que se tinha realizado em Julho desse ano em Estocolmo.7

Em 1956 licencia-se em Engenharia Químico-Industrial, com a média final de 17 valores.

Serviço militar

É incorporado na tropa em Setembro de 1956, no R.A.C. (Regimento de Artilharia de Costa), em Oeiras, para fazer o Curso de Oficiais Milicianos. Findo o curso, em que ficou em primeiro lugar, e após a promoção a Aspirante a Oficial Miliciano, é colocado na Bateria de Alcabideche, onde se manteve até meados de Fevereiro de 1958. É durante o serviço militar que conhece o artista plástico José Escada, de quem se tornará amigo.7

Actividade profissional

Em Fevereiro de 1958 começa a trabalhar na CUF (Companhia União Fabril), no Barreiro, na Divisão de Metais Não-Ferrosos, onde participa no arranque de uma unidade de silicato de sódio. A sua entrada faz-se por convite da empresa, que tradicionalmente convidava para integrar os seus quadros os melhores alunos do curso de Química. 7 Em Agosto de 1958 é contratado pela Siderurgia Nacional por um período de quatro anos. As peripécias da sua transferência da CUF de Jorge de Mello para a Siderurgia Nacional de António Champalimaud são contadas pelo próprio num relato pessoal que ilustra a relação então existente entre os dois grupos industriais rivais. 7

Os dois primeiros anos de trabalho na Siderurgia Nacional são passados em estágios em siderurgias no estrangeiro: 16 meses na Alemanha (Hattingen, Dortmund), cinco meses na Áustria (Donawitz, Linz). É na Alemanha, segundo conta, que descobre o que é a esquerda e a direita, graças a leituras de revistas francesas como L'Express, o France Observateur (mais tarde rebaptizado Le Nouvel Observateur), Les Temps Modernes e à discussão que tem lugar nas suas páginas sobre a Guerra da Argélia.5

Quando regressa a Portugal, em 1960, é nomeado engenheiro-chefe da aciaria, no Seixal, e encarregado de preparar o arranque da unidade, incluindo o recrutamento e treino do pessoal, a aquisição de materiais e a organização interna.

Em Agosto de 1962 deixa a Siderurgia Nacional e aceita um convite para ir dirigir uma fábrica de vidro impresso e garrafaria na Venezuela: o Centro Vidriero de Venezuela, em Guarenas, propriedade de Carlos Galo, um industrial vidreiro da Marinha Grande. Ficará aí apenas um ano, o suficiente para poupar o dinheiro que lhe permitirá ir estudar Sociologia e Economia para Paris. 7

Em 1963 vai estudar para Paris, no Institut des Sciences Sociales du Travail, onde obtém os certificados de Sociologia do Trabalho, Economia do Trabalho e Problemas do Trabalho em Países em Vias de Desenvolvimento. Entre os professores que recorda dessa época conta-se Alain Touraine, Michel Rocard e André Philip. 5

Bibliografia activa
Obra publicada

1963 - As instalações da aciaria da Siderurgia Nacional. Lisboa: [S.n.], 1963

1971 - Pensar Portugal Hoje / João Martins Pereira. 1ª ed. e 2ª ed. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1971 (Colecção Diálogos) 8

1974 - Indústria, ideologia e quotidiano (ensaio sobre o capitalismo em Portugal). Porto: Editora Afrontamento, 1974 (Colecção Luta de Classes) 9

1975 - Portugal 75: Dependência externa e vias de desenvolvimento. Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1975 10

1976 - O Socialismo, a Transição e o Caso Português. Lisboa: Edições Livraria Bertrand, 1976 11

1979 - Pensar Portugal Hoje: Os caminhos actuais do capitalismo português. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 3ª ed., 1979 (Colecção Diálogos) [Inclui Introdução] 12

1980 - Sistemas Económicos e Consciência Social: Para uma teoria do socialismo como sistema global. Oeiras: Instituto Gulbenkian de Ciência, 1980 (Colecção Centro de Estudos de Economia Agrária - Instituto Gulbenkian de Ciência) Trabalho realizado com apoio da Fundação Calouste Gulbenkian. 13 14

1983 - No Reino dos Falsos Avestruzes: Um olhar sobre a política. Lisboa: Edições A Regra do Jogo, 1983 15

1986 - O Dito e o Feito: Cadernos 1984-1987. Lisboa: Edições Salamandra, 1986 16

1988 - Urgent infrastructural needs of portuguese industry in science, research and technology development / João Martins Pereira. 1ª ed. SL: Commission of the European Communities, 1988.

1995 - Indústria e Sociedade Portuguesa Hoje. Porto: Página a Página, 1995 Realizada no âmbito das “Conferências de Matosinhos – 1ª série”, em 14 de Abril de 1994, por iniciativa da CMM. 17

1996 - As PMEs industriais em números. Lisboa: IAPMEI, 1996 18

2002 – “Como entrou a siderurgia em Portugal?”. Comunicação apresentada ao Seminário "Com os Homens do Aço – história, memória e património”, organizado pelo Ecomuseu Municipal do Seixal em 25 e 26 de Outubro de 2002 19 20

2005 - Para a História de Indústria em Portugal 1941-1965: Adubos azotados e siderurgia. Lisboa: ICS - Imprensa de Ciências Sociais, 2005 (Colecção Estudos e Investigação, 37) Trabalho realizado no âmbito do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, projecto financiado pelo Observatório das Ciências e das Tecnologias, do Ministério da Ciência e Tecnologia. 21

2008 - As voltas que o capitalismo (não) deu. Lisboa: Edições Combate, 2008


Exemplares estimados (em excelente estado de conservação), miolo limpo como novo, capas em bom estado, nunca foram lidos e pouco manuseados

com portes registados incluídos para Portugal Continental e ilhas

Preço individual 1ª edição ( 1971) : 50€ 

Preço individual 3ª edição ( 1979) : 50€ 


Comprados em conjunto ( Portes registados pagos ) : 80€

 

+ 10€ para correio registado internacional
UPS ou correio rápido a orçamentar

Pedidos a 2mitodesisifo@gmail.com ou em www.leiloes.net

Sem comentários:

Enviar um comentário